+55 (41) 3107-3344

|

+55 (41) 99137-1831

|

@ibrafe.org

Título da Notícia

E agora, despenca?
06.02.2019

Mesmo vendendo um volume razoável no interior de Minas Gerais, de Goiás e do Paraná, ao que parece, por hora, o mercado encontrou seu teto. Se o comportamento histórico se repetir, pode haver algum pequeno e temporário recuo nas cotações. Se cair R$ 50, haverá uma corrida às compras. O possível pequeno recuo se deve porque momentaneamente boa parte dos empacotadores estão abastecidos. Claro que cerealistas estocados e produtores são quem podem alongar o período ou encurtá-lo. Ainda assim, ontem foram reportados negócios para nota 8 por R$ 345 e nota 9 até R$ 400/410.
O Feijão-rajado alcançou surpreendes R$ 450 em Paracatu, em Minas Gerais.
O Feijão-preto podia ser encontrado no Paraná desde R$ 350.

Fonte:Ibrafe

Guia de
Empresas

Escolha aqui seus parceiros de negócio e conheça as mais inovadoras empresas do setor Feijoeiro.

Saiba Mais

Notícias
Relacionadas

Egito é terceiro maior importador de feijão do Brasil

Egito é terceiro maior importador de feijão do Brasil
23.08.2019

País árabe fez compras no valor de US$ 2,8 milhões em feijão brasileiro de janeiro a julho deste ano. Segundo presidente de...

Ler Mais
Muita conversa e poucos negócios

Muita conversa e poucos negócios
23.08.2019

A semana foi longa para os produtores que precisavam vender e ao mesmo tempo difícil para os empacotadores que precisam comprar na...

Ler Mais