+55 (41) 3107-3344

|

+55 (41) 99137-1831

|

@ibrafe.org

Além do feijão carioca. Conheça 9 outros tipos ricos em nutrientes
21.03.2022

Feijão rajado, azuki, fradinho, preto, branco são variedades consumidas no Brasil e outras partes do mundo, com sabores diferentes

Arroz com feijão, feijoada e feijão tropeiro são apenas alguns dos pratos que mostram como o grão é uma das bases da culinária brasileira. A paixão pelo feijão também gera uma variedade de gostos em diferentes regiões do país. Entre os mais populares e conhecidos estão o feijão carioca, o feijão vermelho e o fradinho. Mas há outras variedades com cores e sabores diferentes. A Globo Rural preparou uma lista para você conhecer outras variedades consumidas no Brasil e em outros países.

Feijão Rajado

Parecido com o carioca, o feijão rajado contém grãos mais graúdos, cor levemente rosada, pintinhas de cor escura e um sabor levemente adocicado. Ele cozinha rapidamente e é rico em minerais e vitamina B1, podendo ser adaptado em diversas receitas. O Ibrafe destaca que o consumo ideal é em pratos com carne e massas. O feijão rajado faz parte do grupo de alimentos chamados “pulses”, um grupo de 12 leguminosas secas. O Brasil tem como principal exportador de feijão rajado a Índia.

Feijão Azuki

Originário do Japão, o feijão Azuki é de cor vermelha e menor do que o tamanho do grão de um feijão carioca. Segundo a vitrine da agricultura do site de sistemas de agricultura do governo, o feijão azuki é produzido em pequena escala pela agricultura familiar no Brasil. O Ibrafe indica que a variedade contém elevado teor de fibras, carboidratos, ferro, fósforo, magnésio, proteínas e vitaminas do complexo B. O feijão é comumente usado na China para o tratamento de edemas e para a deficiência de vitamina B1. Além dos nutrientes, os polifenóis presentes nos grãos podem reduzir as chances de doenças relacionadas a estresse oxidativo e inflamação, conclui o Ibrafe.

Feijão Jalo

A variedade de feijão jalo é descrita pela Embrapa como um grão grande, alongado, de coloração uniforme e ciclo de produção precoce. O jalo é consumido na região Centro-Oeste do Brasil e também é muito valorizado no Oriente Médio. Em sua composição, é uma fonte rica em fibras, ferro e compostos fenólicos. Quando cozido produz um caldo denso, ideal para sopas e usado em conhecidos pratos mineiros, como o tutu de feijão.

Feijão Vermelho

Esse tipo de feijão tem grãos um pouco maiores que o preto e o carioca e constuma produzir um pouco mais de caldo do que as variedades mais tradicionais. Rico em cálciuo e ferro, é também fonte de antioxidantes. Segundo o Ibrafe, essa variedade é ideal para pratos que os grãos não podem desmanchar, já que o feijão vermelho tem uma resistência maior que outros tipos, como o carioca e o preto.

Feijão Preto

A variedade é, mais tradicionalmente, consumida na feijoada. Mas, em alguns estados, como o Rio Grande do Sul e o Rio de Janeiro, e o feijão preto o mais combinado com o arroz a dieta diária, em vez do carioca. De acordo com o Ibrafe, é um feijão usado também na culinária em todo o mundo. É fonte de ferro, fósforo, cálcio, zinco, potássio, manganês e magnésio, entre outros. Ajuda na luta contra a diabetes, a pressão arterial alta e nos cuidados com o coração.

Feijão fradinho

Se você já comeu um tradiconal baião de dois, já comeu feijão fradinho. Também chamado de feijão-de-corda, caupi e macaçar, é bastante utilizado, no Brasil, na culinária mineira e nordestina. Também é chamado de feijão-verde, quando utilizado ainda fresco. Uma de suas principais características, segundo o Ibrafe, é que ele não produz caldo, como o carioca e o preto. Seus grãos costumam ficar mais soltos no cozimento, além de cozinhar mais rápido, seja na panela convencioal ou na de pressão, sendo boa fonte de proteínas, vitaminas e minerais.

Feijão mungo

Se você é fã de culinária oriental, já deve ter ouvido falar desse feijão de grãos pequenos e de cor verde. O mungo é o feijão que o Brasil mais exporta. Quando germinado, é ele que dá origem ao famoso moyashi, o broto de feijão, da culinária japonesa. Pode ser consumidor cru ou também cozido, como as demais variedades, destaca o Ibrafe. Cru, o feijão mungo pode aparecer, por exemplo, em saladas. Cozido, pode ser o ingrediente principal ou acompanhamento de outros vegetais e carnes.

Feijão branco

Mais conhecido pelo uso em ensopados, o feijão branco é o utilizado na preparação de pratos bem populares da cozinha regional brasileira, como a dobradinha ou a buchada. É também o feijão do tradicional cassoulet, de origem francesa. De acordo com o Instituto Brasileiro do Feijão e Pulses, essa variedade é conhecida por ser rica em flavonoides, vitaminas do complexo B, além de zinco e magnésio. E, como os outros feijões, traz sensação de saciedade, bom para o controle do apetite e para o equilíbrio da alimentação.

Feijão Bolinha ou Manteiga

O feijão bolinha ou manteiga é um grão de cor creme-amarelada, formato arredondado, que é cultivado no Pará, afirma a Embrapa. A variedade tem pouca expressão comercial no Brasil e apresenta uma composição de nutrientes semelhante ao feijão cavalo e feijão carioca. É fácil de cozinhar e pode ser utilizado tanto em saladas, como pratos quentes. É utilizado na culinária portuguesa em um prato típico que junta macarrão, carne e feijão manteiga.

Fonte: https://revistagloborural.globo.com/Noticias/Agricultura/Feijao/noticia/2022/03/alem-do-feijao-carioca-conheca-9-outros-tipos-ricos-em-nutrientes.html

Notícias
Relacionadas

Produtores e empacotadores perderam com Feijão no 1° semestre de 2021

Produtores e empacotadores perderam com Feijão no 1° semestre de 2021
12.08.2022

O aumento no custo de produção do Feijão tem colocado produtores em uma situação complicada. Muitos têm absorvido boa parte do reajuste...

Ler Mais
Obrigatoriedade da Rastreabilidade para os Produtos Vegetais que Possuem Padrão de Classificação

Obrigatoriedade da Rastreabilidade para os Produtos Vegetais que Possuem Padrão de Classificação
10.08.2022

O Decreto n° 6268/2007, que regulamenta a lei de classificação Lei n° 9.972/2000 e dispõe sobre a inspeção vegetal, está em consulta...

Ler Mais