+55 (41) 3107-3344

|

+55 (41) 99137-1831

|

@ibrafe.org

Título da Notícia

Arroz, feijão e atum e quatro horas de sono: a noite de Rayssa Leal antes da volta ao Brasil
27.07.2021

Fadinha ainda diz não entender o tamanho do feito e se impressiona com seguidores famosos

O rosto cansado entrega as poucas horas de sono. Desde a conquista da prata nas Olimpíadas de Tóquio, Rayssa Leal não conseguiu parar. Das vontades que tinha, só arrumou tempo para comer um prato de arroz, feijão e atum. Em meio ao turbilhão pelo feito histórico, a medalhista olímpica mais jovem do Brasil ainda tenta entender o tamanho do que fez.

– Está tudo acontecendo muito rápido. Só quero voltar para o Brasil e ver a torcida – disse a skatista de apenas 13 anos.

Nas horas seguintes à conquista da medalha, Rayssa enfileirou entrevistas. Já não sabia muito bem o que dizer quando chegou à Vila Olímpica e se viu como estrela. Foi celebrada por atletas do Brasil, como a seleção de vôlei, e até por estrangeiros. Quando conseguiu parar, passou a noite com a mãe Lilian.

– A gente conversou muito sobre skate, mas ainda não falamos sobre outras coisas. Mas vamos ter ainda um dia inteiro no voo para conversar.

Rayssa volta ao Brasil já nesta terça-feira. Pouco antes de deixar a Vila rumo ao aeroporto, encontrou a equipe da Globo para entrar ao vivo no Jornal Nacional e no SporTV. Enquanto esperava, abraçou o presidente da Confederação Brasileira de Skate, Eduardo Musa.

– Eu quero dormir – chorou, com o jeito de criança que ainda é.

A skatista só acorda ao falar sobre o sucesso nas redes sociais. Hoje, já superou os cinco milhões de seguidores no Instagram. Entre eles, muitos, mas muitos famosos.

– Gente, a Bruna Marquezine está me seguindo. O Daniel Alves. Nem acreditei…

Rayssa é a atleta mais jovem da história do Brasil a subir ao pódio em Olimpíadas. Aos 13 anos e 203 dias, bateu de longe o recorde de Rosângela Santos, bronze em Pequim 2008 com 17 anos no 4x100m do atletismo. Fadinha é, também, a mais jovem brasileira a participar dos Jogos. A marca anterior era de Talita Rodrigues, nadadora que foi finalista no 4x100m livre em 1948, nos Jogos de Londres. Na ocasião, tinha 13 anos e 347 dias.

O ouro ficou com a japonesa Momiji Nishiya, também de 13 anos, cinco meses mais velha que Rayssa. A skatista somou 15,26 na final, à frente dos 14,64 da brasileira. A também japonesa Funa Nakayama completou a dobradinha da casa no pódio, com 14,49.

Fonte: https://ge.globo.com/olimpiadas/noticia/arroz-feijao-e-atum-e-quatro-horas-de-sono-a-noite-de-rayssa-leal-antes-da-volta-ao-brasil.ghtml

Notícias
Relacionadas

Estudo da UFMG aponta que ‘arroz com feijão’ e azeite extravirgem reduzem inflamações em obesos

Estudo da UFMG aponta que ‘arroz com feijão’ e azeite extravirgem reduzem inflamações em obesos
07.12.2021

Pacientes com obesidade grave tiveram parâmetros inflamatórios reduzidos após 12 semanas de consumo de azeite extravirgem associado à dieta com padrão brasileiro...

Ler Mais
Estudo inédito avaliou feijão em Mato Grosso

Estudo inédito avaliou feijão em Mato Grosso
01.12.2021

Estado é é o quarto maior produtor brasileiro e cultiva carioca, caupi e preto. O Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), em parceria...

Ler Mais