+55 (41) 3107-3344

|

+55 (41) 99137-1831

|

@ibrafe.org

Título da Notícia

Como anda o feijão pelo país
20.11.2020

No Brasil a cultura tem até três safras por ter ciclo curto e se encaixar em uma janela menor

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) apontou, em seu último boletim, que a safra de feijão no país será menor, com expectativa de colheita de 3 milhões de toneladas em uma área plantada de 2,9 milhões de hectares, volume cerca de 5% menor.

No Brasil a cultura tem até três safras por ter ciclo curto e se encaixar em uma janela menor. No feijão cores são esperadas 1,9 milhão de toneladas; no preto 500 mil toneladas e no caupi 686 mil toneladas. Na primeira safra, em andamento, devem ser 914,2 mil hectares e 1 milhão de toneladas. Veja como está o andamento pelo Brasil.

Feijão-comum cores

No comum cores a safra está em andamento no Sul e Sudeste. Em São Paulo, por exemplo, as primeiras lavouras já estão sendo colhidas, abastecendo o mercado consumidor nesse período inicial da temporada. De modo geral, as lavouras já implantadas de feijão-comum cores elo país ainda estão em desenvolvimento e enfrentando problemas climáticos com pouca chuva e altas temperaturas.

Em Minas Gerais, o plantio está avançando com a chegada da chuva e deve haver aumento na área plantada. No Paraná, outro importante produtor do feijão-comum cores, as condições climáticas têm oscilado neste início do ciclo, apresentando períodos de escassez pluviométrica, que podem impactar no desenvolvimento da cultura. Em Santa Catarina, o feijão-comum cores tem plantio mais tardio em comparação ao cultivo do feijão-comum preto. A semeadura está em fase inicial, com previsão de se estender até dezembro. No Rio Grande do Sul, a estimativa inicial é de manutenção da área plantada.

Na Bahia, os solos estão sendo preparados e a estimativa prévia é de manutenção da área plantada. Em Goiás, logo após o período de vazio sanitário, as primeiras regiões já
iniciaram o plantio e no estado manejo irrigado é bastante característico. Outras que se destacam na produção do feijão-comum cores na primeira safra e que estão fora do eixo Sudeste-Sul são: Distrito Federal, Pará, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Algumas dessas áreas estão em plena implantação das lavouras, enquanto outras ainda esperam o encerramento do período de vazio sanitário.

Feijão-comum preto

Nesta variedades a Região Sul é responsável por mais de 91% das áreas previstas. O Paraná é o grande destaque e as condições climáticas estão oscilantes desde o início e, atualmente, os registros de precipitações têm sido mais desconcentrados. A expectativa é que haja regularização das chuvas, e que as lavouras possam se desenvolver melhor durante as fases mais agudas do ciclo.

No Rio Grande do Sul, a semeadura está evoluindo. A expectativa é de melhoria no rendimento médio em comparação à temporada passada. Em Santa Catarina, mais de 81% da área estimada para o plantio do feijão-comum preto nesta primeira safra está semeada. O clima tem se demonstrado fator importante ao estabelecimento das lavouras, pois a escassez de chuvas e as temperaturas elevadas têm prejudicado o desenvolvimento das plantas e podem influir no resultado final da safra.

Além da Região Sul, vale ressaltar o cultivo do feijão-comum cores nesse período em Minas Gerais, Espírito Santo, Distrito Federal e Rio de Janeiro, mesmo que em áreas menores.

Feijão-caupi

Esse é um tipo de feijão que apresenta rusticidade bastante elevada, especialmente em relação à demanda hídrica, adaptando-se bem às condições de menor disponibilidade de água. Por isso, sua maior representatividade é na Região Nordeste e em áreas com características mais áridas no Centro-Oeste e no Sudeste (particularmente em Mato Grosso e Minas Gerais, respectivamente).

Nesta primeira safra, os maiores destaques ficam por conta do cultivo no Piauí e na Bahia, que, juntos, devem representar mais de 86% da área estimada para o plantio do feijão-caupi em todo o país. Ao todo, deverão ser mais de 387 mil hectares semeados com a cultura nesse período.

O plantio da cultura é, usualmente, mais tardio, se comparado ao feijão-comum cores e feijão-comum preto, e isso tem certa relação com o regime pluviométrico “diferente” encontrado nessas regiões produtoras. A tendência é que as operações sejam intensificadas a partir de novembro e dezembro, podendo se estender até o início do próximo ano em algumas localidades.

Fonte: https://www.agrolink.com.br/noticias/como-anda-o-feijao-pelo-pais_442602.html

Notícias
Relacionadas

Governo de São Paulo revoga aumento de ICMS no agronegócio

Governo de São Paulo revoga aumento de ICMS no agronegócio
15.01.2021

Decretos foram publicados no Diário Oficial do Estado e valem a partir desta sexta. O governo de São Paulo publicou hoje no Diário...

Ler Mais
SP suspende aumento de ICMS, mas assunto preocupa produtores de todo país

SP suspende aumento de ICMS, mas assunto preocupa produtores de todo país
07.01.2021

O governo de São Paulo recuou e suspendeu o corte de benefícios fiscais do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS)...

Ler Mais