+55 (41) 3107-3344

|

+55 (41) 99137-1831

|

@ibrafe.org

Título da Notícia

Há risco de faltar feijão na mesa com redução das plantações no Brasil e no Ceará?
21.06.2022

No Estado, o encolhimento da área plantada foi de quase 40%; entenda a situação

O Ceará sofreu redução de 39,15% das plantações de feijão nos últimos 40 anos. Dados Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) mostram que a área cultivada caiu de 595 mil hectares, em 1981 e 1982, para 362,3 mil hectares em 2021/2022.

O questionamento que se levanta, portanto, é se há risco de desabastecimento do grão no mercado regional. O número considera as três safras do ano.

Essa é a segunda menor extensão das últimas quatro décadas no Estado, atrás apenas do período de 2012/2013, quando a área plantada foi de 341,1 mil hectares. Para especialistas, todavia, não há possibilidade de faltar o produto no prato dos cearenses.

POR QUE A ÁREA PLANTADA DE FEIJÃO DIMINUIU NO CEARÁ?
O Brasil inteiro registrou queda de 54%, passando de 6,153 milhões para 2,816 milhões de hectares plantados de feijão. No Ceará, essa cultura agrícola já não é tão forte como nos estados do Paraná, Minas Gerais e da Bahia.

Segundo o presidente do Instituto Brasileiro do Feijão e Pulses (Ibrafe), Marcelo Eduardo Lüders, a retração nacional da área plantada é puxada, sobretudo, pela competição com as commodities brasileiras. “É mais vantajoso, por exemplo, plantar soja, milho, algodão”, lista.

O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Ceará (Faec), Amilcar Silveira, observa que parte do declínio também pode ser atribuída à queda do consumo per capita anual do grão.

“De 2002 a 2017, por exemplo, a redução foi de 52%, segundo dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Segundo o estudo, o consumo passou de 12,3 kg para 5,9 kg, no período”, contabiliza.

“Então, não acredito que haverá desabastecimento. O que há é uma acomodação de mercado devido a uma procura menor”, avalia.

Geralmente, o alimento está mais presente na feira das famílias de rendas mais baixas. O cenário de alta inflação e de desemprego tornou o feijão inacessível para essa população, que é obrigada a substituí-lo pela lentilha, por exemplo, ou até riscá-lo do cardápio.

Outro fator que pode ter contribuído para o encolhimento da área plantada foi a quebra da safra por decorrências climáticas, segundo o analista de mercado da Central de Abastecimentos do Ceará (Ceasa), Odálio Girão.

HÁ RISCO DE DESABASTECIMENTO?
O presidente do Instituto Brasileiro do Feijão e Pulses (Ibrafe), Marcelo Eduardo Lüders, pondera que, na verdade, pode haver uma diminuição da oferta de algumas variedades de sementes, mas não o desaparecimento total do alimento.

“Neste ano, temos menos feijão-carioca. Os feijões de corda também têm diferentes variedades”, explica.

O analista de mercado da Central de Abastecimentos do Ceará (Ceasa), Odálio Girão, acrescenta que o Brasil é um dos maiores produtores e consumidores mundiais de feijão, mas também busca o mercado internacional quando há escassez.

“Recorremos à Índia, à China, Tanzânia, aos Estados Unidos, ao México e até mesmo à Argentina, além do Peru, com a produção de feijão-preto para abastecer o mercado local”, lista.

Odálio descarta a possibilidade de desbastecimento, mas diz que isso também dependerá da oferta dos mercados nacional e regional na próxima safra, sobretudo, da produção na Bahia, importante para o consumo do Nordeste.

Veja quando ocorrem as colheitas do feijão:

1º safra: janeiro e fevereiro;
2º safra: abril e maio;
3º safra: julho e setembro.

O Diário do Nordeste questionou sobre o risco de desabastecimento ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e à Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Trabalho do Estado (Sedet), mas não obteve retorno até a publicação desta matéria.

CENÁRIO PODE ELEVAR O CUSTO DO FEIJÃO?
Sim. O presidente do Ibrafe, Marcelo Eduardo Lüder, explica que a redução da oferta pressionará o preço do feijão-carioca, o mais demandado. “O consumidor precisa experimentar outras variedades quando sua preferida está mais cara”, indica.

No acumulado do ano, o feijão-carioca registrou alta de 28,46%, no Brasil, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (IPCA), medido pelo IBGE. Já o mulatinho registrou alta de 4,99%, enquanto o preto subiu 3,68%.

O analista de mercado da Central de Abastecimentos do Ceará (Ceasa), Odálio Girão, analisa que o valor do produto não deve declinar nos próximos meses diante do cenário.

“Houve a questão do aumento da energia elétrica, que contribui para o plantio e a colheita do feijão, considerando que a maioria da produção brasileira é irrigada”, aponta outro fator de elevação do custo, além da escassez.

O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Ceará (Faec), Amilcar Silveira, contudo, acredita que não deverá haver elevação de preços.

Fonte: https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/negocios/ha-risco-de-faltar-feijao-na-mesa-com-reducao-das-plantacoes-no-brasil-e-no-ceara-1.3244319

 

Notícias
Relacionadas

Boletim Técnico: Alternativas à Dessecação Química do Feijão-Mungo Sendo Usado na Austrália

Boletim Técnico: Alternativas à Dessecação Química do Feijão-Mungo Sendo Usado na Austrália
29.06.2022

Por Fernanda Chemim, Eng. Agrônoma, IBRAFE Na Austrália, onde se produz o Feijão-mungo da melhor qualidade do mundo, os produtores estão interessados na...

Ler Mais
Produtores do Paraná trocam feijão carioca pelo preto

Produtores do Paraná trocam feijão carioca pelo preto
29.06.2022

Independentemente da cor, qualidade e produtividade devem cair em função das questões climáticas como chuva e geada. Maior produtor de feijão do Brasil,...

Ler Mais