+55 (41) 3107-3344

|

+55 (41) 99137-1831

|

@ibrafe.org

Título da Notícia

Proteína vegetal: por que todo mundo deveria comer mais
03.12.2020

Feijão, lentilha, soja… Conheça a família de alimentos que oferta proteína, fibra e outras substâncias bem-vindas à saúde

Um interesse crescente na sustentabilidade, aliado à promoção de hábitos saudáveis, vem resultando em uma maior tendência de substituir alimentos de origem animal pelos de origem vegetal. E aí vem a preocupação com o valor nutricional, sobretudo com o teor de proteína na dieta.

As principais fontes de proteína vegetal são sementes de cereais e leguminosas. As leguminosas (e algumas oleaginosas) geralmente têm de 30 a 50% do seu peso seco de proteína, enquanto os cereais têm um pouco menos, cerca de 10%.

De quem estamos falando? As leguminosas são a família do feijão, da lentilha, da ervilha, do grão-de-bico, do tremoço, da soja e do edamame. Além de fontes de proteína, são ricas em fibras. Essas duas características lhes conferem um alto poder de saciedade, que é bem-vindo a qualquer processo de emagrecimento ou manutenção do peso.

Uma boa quantidade de fibras aumenta o tempo de mastigação, estimula os sinais precoces de saciedade, atrasa o esvaziamento do estômago e, ao formar géis viscosos no trajeto, retarda a passagem da comida pelo sistema digestivo. Já as proteínas instigam a secreção de hormônios que nos deixam mais satisfeitos à mesa (e depois).

Esse combinado melhora a adesão a um plano alimentar com menor consumo de calorias. E ainda tem baixo índice glicêmico, o que auxilia a regular as concentrações de glicose e insulina no sangue, evitando a fome mais cedo e, no longo prazo, o ganho de peso.

A proteína vegetal não vem sozinha. E, além das fibras, as leguminosas e sementes ofertam uma série de micronutrientes, como ferro, selênio, potássio, zinco, vitaminas A, E e do complexo B. Diante disso, recomendamos consumir pelo menos meia xícara de leguminosas por dia, ou 90 gramas.

Ervilha, soja e companhia
Uma das sacadas é variar na escolha das integrantes dessa família. E convidar não só as leguminosas, mas também as sementes e oleaginosas para seus lanches e refeições. Destaco as propriedades nutricionais de alguns desses alimentos:

Feijão

É democrático e excelente fonte de proteína, vitaminas do complexo B, fibras e minerais essenciais como ferro e cálcio. Uma concha (100 gramas) de feijão cozido fornece 8 gramas de proteína.

Ervilha

Apresenta zinco, luteína e vitaminas do complexo B, caso de ácido fólico e niacina. Uma xícara de ervilha cozida (100 gramas) carrega 7,9 gramas de proteína.

Grão-de-bico

Ostenta uma quantidade generosa de proteína, vitaminas do complexo B, cálcio, ferro, manganês e outros micronutrientes com funções importantes. Uma concha (100 gramas) da versão cozida possui 6 gramas de proteína.

Tremoço

Famoso nos petiscos, é fonte de fibras, cálcio, complexo B e proteínas. Mas não abuse das versões em conserva, com muito sódio. Uma xícara de tremoço cozido (100 gramas) tem 11 gramas de proteína.

Soja, tofu e edamame

Tanto a leguminosa como essa receita, que é resultado de um processo feito com o leite de soja, são opções interessantes. O tofu, que lembra um queijo, apresenta cálcio e isoflavonas, assim como vitaminas B, D, E, F e K, a exemplo de sua matéria-prima, a soja. Um pedaço médio (30 gramas) de tofu oferece 8 gramas de proteína. Já uma concha de soja cozida (100 gramas) representa 14 gramas de proteína. O edamame, por sua vez, é a semente de soja ainda verde e tem as mesmas propriedades nutricionais.

Semente de abóbora

Está com a popularidade crescendo. Contém magnésio e triptofano, fibras, proteínas, antioxidantes, ômega-3 e zinco. Duas colheres de sopa (30 gramas) carregam 5 gramas de proteína.

Nozes

Essas oleaginosas são ricas em gorduras poli-insaturadas, com quantidade apreciável de ômega-3. Ainda nos entregam vitamina E, ácido fólico e um aminoácido chamado arginina, importante para o relaxamento dos vasos e o controle da pressão, e um monte de fitoquímicos. Um punhado (30 gramas) tem 5,5 gramas de proteína.

O clássico arroz e feijão
Essa dupla, que tem a cara do prato brasileiro, é muito importante inclusive em matéria de proteína. Aqui temos a junção de um cereal e uma leguminosa. O arroz, como todo cereal, é deficiente no aminoácido lisina. Por outro lado, o feijão não é fonte de metionina, outro aminoácido essencial.

Quando juntamos os dois na mesma refeição, promovemos uma espécie de casamento desses aminoácidos, o que incrementa seu valor nutricional. Esse fenômeno se repete em outras combinações de cereais e leguminosas. Por isso, fique à vontade para testar trigo + grão-de-bico, cevada + lentilha, e por aí vai.

Apesar de o consumo de leguminosas ter baixado no Brasil nos últimos anos, o popular arroz e feijão segue presente em muitos lares e deve ser encorajado. Além da tradição, sua riqueza nutricional é exemplar.

Fonte: https://saude.abril.com.br/blog/alimente-se/proteina-vegetal-por-que-todo-mundo-deveria-comer-mais/

Notícias
Relacionadas

Novas áreas irrigadas podem aumentar produção agrícola em 10 vezes

Novas áreas irrigadas podem aumentar produção agrícola em 10 vezes
20.01.2021

Aumentar as áreas de irrigação no Brasil tem se mostrado como solução para a verticalização na produção de alimentos. Utilizar tecnologia e...

Ler Mais
De onde vem o que eu como: com gosto de sábado, feijoada ajuda a movimentar mais de R$ 40 bilhões no campo

De onde vem o que eu como: com gosto de sábado, feijoada ajuda a movimentar mais de R$ 40 bilhões no campo
19.01.2021

Na cidade, a combinação de carne de porco com feijão preto é clássica: veja dicas para ficar ainda melhor. No campo, aumento...

Ler Mais