+55 (41) 3107-3344

|

+55 (41) 99137-1831

|

@ibrafe.org

Título da Notícia

SP suspende aumento de ICMS, mas assunto preocupa produtores de todo país
07.01.2021

O governo de São Paulo recuou e suspendeu o corte de benefícios fiscais do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para alimentos e medicamentos genéricos. A decisão foi tomada após pressão de lideranças do agronegócio, que haviam marcado protestos em 200 cidades contra o aumento da cobrança.

Os produtores pressionaram o governo pela isenção na cobrança do imposto sobre combustíveis e insumos, como adubo e sementes. Eles dizem que o aumento do ICMS sobre esses produtos deve causar alta no preço dos alimentos, mesmo após a promessa de barrar a cobrança nas cestas básicas de alimentos e de remédios.

O governador de São Paulo, João Dória concordou que “a redução de benefícios do ICMS poderia causar aumento no preço de diversos alimentos e medicamentos genéricos, principalmente para a população de baixa renda”.

Avaliação de danos

Um estudo realizado pela Fundação Getúlio Vargas aponta outros impactos que podem ser causados pela alteração na alíquota do ICMS e irão se propagar por vários segmentos. A absorção de todos esses impactos pode resultar em uma perda de consumo de até R$ 21,4 bilhões em bens e serviços e uma redução de R$ 6,8 bilhões no Produto Interno Bruto (PIB) da região Sudeste.

Os danos do aumento da alíquota de ICMS geram distorções para a economia de São Paulo e de toda a região Sudeste. Essas distorções serão sentidas em forma de redução de consumo pela população e redução de investimentos pelos setores. Os principais resultantes desses efeitos são a redução da massa salarial e a redução do valor da produção setorial.

Segundo o estudo, para cada R$ 1,00 adicional de arrecadação, haveria uma queda de R$ 2,75 no consumo. Portanto, há um aumento da importância relativa do governo na região Sudeste.

Demais estados

A suspensão do benefício de isenção do ICMS sobre alimentos também vem ameaçando outros estados. Produtores de Feijão pelo Brasil já se preocupam com os reflexos negativos que a mudança pode causar.

Em Minas Gerais o governador Romeu Zema prorrogou o Convênio ICMS 100/97 até março de 2021. A expectativa dos agricultores mineiros, de acordo com o Analista de Agronegócios da FAEMG, Caio Coimbra é de que o benefício seja mantido.

“O agro precisa dessa isenção. Já somos um setor sobretaxado e tirar esse benefício pode gerar um aumento do custo de produção muito grande, desestimular a produção, diminuir a competitividade e aumentar o custo para o consumidor final, diminuindo o poder de compra”, explicou Coimbra.

Notícias
Relacionadas

Novas áreas irrigadas podem aumentar produção agrícola em 10 vezes

Novas áreas irrigadas podem aumentar produção agrícola em 10 vezes
20.01.2021

Aumentar as áreas de irrigação no Brasil tem se mostrado como solução para a verticalização na produção de alimentos. Utilizar tecnologia e...

Ler Mais
De onde vem o que eu como: com gosto de sábado, feijoada ajuda a movimentar mais de R$ 40 bilhões no campo

De onde vem o que eu como: com gosto de sábado, feijoada ajuda a movimentar mais de R$ 40 bilhões no campo
19.01.2021

Na cidade, a combinação de carne de porco com feijão preto é clássica: veja dicas para ficar ainda melhor. No campo, aumento...

Ler Mais