+55 (41) 3107-3344

|

+55 (41) 99137-1831

|

@ibrafe.org

Título da Notícia

Startup ‘renova’ ervilhas amarelas de olho em mercado vegano
11.08.2021

(Bloomberg) — A ervilha amarela, leguminosa popular nos Estados Unidos que alimentou soldados na Segunda Guerra e agora é um componente essencial na expansão do mercado de carne fake, há muito tempo precisa de uma nova versão.

Essa é a visão da Benson Hill, startup de tecnologia de alimentos que anunciou um plano para elaborar ervilhas amarelas proprietárias, não geneticamente modificadas e rastreáveis. Por meio da tecnologia de inteligência artificial e trabalhando com agricultores, a empresa pretende entrar no mercado com as novas ervilhas em três a cinco anos, disse o CEO Matt Crisp em entrevista.

O objetivo é chegar a ingredientes com melhor sabor e alto teor de proteína para a venda nos mercados de alimentos à base de plantas para humanos e animais de estimação. A ervilha amarela é a fonte de proteína de crescimento mais rápido para essas alternativas à carne, um mercado que deve movimentar US$ 140 bilhões globalmente até 2029, acima dos US$ 14 bilhões em 2019.

A Benson Hill, que deve abrir o capital neste trimestre, planeja elevar a proteína da ervilha amarela de 20% a 25% para mais de 30%. Isso ajudaria a reduzir o processamento, que consome muita água e energia, disse Crisp. Melhorar o sabor pode resultar em menos sódio necessário para mascarar sabores “desagradáveis”.

A produção de ervilhas amarelas e verdes dos EUA aumentou durante a Segunda Guerra Mundial, quando os grãos foram amplamente usados para alimentar soldados americanos no mundo todo. A produção se estabilizou entre 1948 até o início dos anos 2000, quando a demanda por alimentos e bebidas à base de vegetais deu um salto, disse Tim McGreevy, CEO do USA Dry Pea & Lentil Council em Idaho.

“Com inovação e foco em alimentos ecológicos, acho que veremos um aumento da demanda por essas culturas”, disse McGreevy.

Fonte: https://br.financas.yahoo.com/noticias/startup-renova-ervilhas-amarelas-olho-170736907.html?guccounter=1

Notícias
Relacionadas

Estudo da UFMG aponta que ‘arroz com feijão’ e azeite extravirgem reduzem inflamações em obesos

Estudo da UFMG aponta que ‘arroz com feijão’ e azeite extravirgem reduzem inflamações em obesos
07.12.2021

Pacientes com obesidade grave tiveram parâmetros inflamatórios reduzidos após 12 semanas de consumo de azeite extravirgem associado à dieta com padrão brasileiro...

Ler Mais
Estudo inédito avaliou feijão em Mato Grosso

Estudo inédito avaliou feijão em Mato Grosso
01.12.2021

Estado é é o quarto maior produtor brasileiro e cultiva carioca, caupi e preto. O Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), em parceria...

Ler Mais