Apenas 30% dos negócios ocorrem entre os dias 11 e 24

Por: IBRAFE,

22 de agosto de 2023

Responsive image

Mercado com ritmo próprio do período do mês, tendo sido reportados negócios com valores pouco abaixo do que na semana passada nas fontes, onde há colheita no momento.
Feijão-carioca:
- Os produtores de Minas Gerais venderam o Feijão-carioca ao redor de R$ 210,00 por saca de 60 quilos, FOB.
- No Mato Grosso, o preço médio do Feijão-carioca foi de R$ 200,00 por saca de 60 quilos, FOB e com o aumento da colheita podem ocorrer negócios abaixo deste patamar durante os próximos dias.
- Em Goiás, o Feijão-carioca 8,5/9 foi negociado por R$ 190 por saca de 60 quilos, mais ICMS.
- O Feijão-preto basicamente argentino do lado brasileiro foi negociado ao redor de R$ 290,00 por saca de 60 quilos.
- No Paraná, o Feijão-preto teve uma média de cotações entre R$ 260/280 por saca de 60 quilos.
- No Rio Grande do Sul, o Feijão-preto registrou um valor médio de R$ 260/270 por saca de 60 quilos.

Ainda que o Feijão seja consumido por cerca de 150 milhões de brasileiros todos os dias, sua compra não é uniforme ao longo do mês. Segundo alguns empacotadores de Feijão, na média 70% de todo Feijão negociado durante o mês fica concentrado entre os dias 25 e o dia 10, quando o consumidor vai às compras. Isso significa que há um período de baixa demanda pelo produto entre os dias 11 e 24 de cada mês, quando o movimento no varejo é menor.
Esse comportamento do consumidor, obviamente, está relacionado ao recebimento do salário, que geralmente ocorre no final ou no início do mês, e há preferência por comprar o Feijão em maior quantidade para garantir o abastecimento doméstico. Além disso, o Feijão é um produto que permite armazenamento sem perda de qualidade na dispensa da casa por 20 a 30 dias.
Para os empacotadores de Feijão, esse cenário representa um desafio e uma oportunidade. Por um lado, eles precisam se adaptar à sazonalidade do mercado e planejar a sua produção e distribuição de acordo com a demanda. Por outro lado, eles podem aproveitar o período de maior movimento no varejo para promover o seu produto e aumentar as vendas. O varejo faz todo um esforço para atrair consumidores para as lojas entre outros produtos com o Feijão.
Se o empacotador perder esse momento em que encartes são produzidos e o produto é promovido, certamente pode-se dizer que perdeu o mês. Isso porque ele deixará de aproveitar a janela de oportunidade para vender mais e fidelizar os clientes. Além disso, ele poderá enfrentar uma maior concorrência dos outros empacotadores e dos produtos industrializados.
Portanto, todo empacotador sabe que é vital estar atento ao comportamento do consumidor e ao calendário do varejo, para ajustar a sua oferta e demanda e maximizar os seus lucros. Eles também devem investir na qualidade e na divulgação do seu produto, para se diferenciar no mercado e satisfazer as necessidades e expectativas dos consumidores.

Mais
Boletins

Produtor que ganha acompanha de perto o mercado
24/06/2024

Consumo de Feijão-preto surpreende no Nordeste
21/06/2024

Mesmo com Nordeste em festa mercado segue firme
20/06/2024

Feijão no Mercado de Varejo: Uma Análise
19/06/2024

Feijão-Carioca cada região uma situação diferente
18/06/2024