Continua complicada a colheita no Paraná

Por: IBRAFE,

30 de abril de 2024

Responsive image
Produzir Feijões na região Sul do Brasil é uma tarefa desafiadora. As condições meteorológicas representam um risco constante para os agricultores. Além disso, os Feijões são avaliados principalmente pela aparência, e qualquer defeito pode desvalorizar o seu conteúdo nutricional, que está presente abaixo da “pele” do grão.
 
Atualmente, o mercado ainda não valoriza plenamente o conteúdo nutricional dos Feijões, resultando em variações de preços significativas. Produtores chegam a receber valores entre R$ 100 e R$ 200 por saca de Feijão. No entanto, a quantidade de descarte é incalculável, e a indústria de rações não consegue absorver toda essa matéria-prima proteica.
 
Diante desse cenário, torna-se cada vez mais pertinente estudar, discutir e implementar formas de aproveitar ao máximo esse precioso alimento. Afinal, há pessoas no mundo e no Brasil que sofrem com a fome, e a tecnologia disponível em centros de pesquisa, como o ITAL e a EMBRAPA, pode ser direcionada para mitigar essa situação.
 
Além disso, é importante considerar que os Feijões não precisam ser perfeitos visualmente para serem aproveitados. Mesmo os grãos manchados, brotados ou quebrados podem ser transformados em produtos valiosos. A colheita no Paraná segue acontecendo de forma errática devido às pancadas de chuva esparsas. Segundo a previsão do Climatempo, os próximos 15 dias continuarão com chuvas nas regiões produtoras. Em Pato Branco, neste mês, já choveu 151 milímetros, o que representa 119% da média histórica.

Mais
Boletins

Produtor que ganha acompanha de perto o mercado
24/06/2024

Consumo de Feijão-preto surpreende no Nordeste
21/06/2024

Mesmo com Nordeste em festa mercado segue firme
20/06/2024

Feijão no Mercado de Varejo: Uma Análise
19/06/2024

Feijão-Carioca cada região uma situação diferente
18/06/2024