Primeira safra teria sido mais lucrativa para Feijão-preto

Por: IBRAFE,

23 de abril de 2024

Responsive image
Mantemos todo o tempo aqui no IBRAFE a busca de alternativas de produção que maximizam o lucro do produtor. Por esta razão, temos defendido há 4 anos com insistência que não precisaríamos importar Feijão-preto e que poderíamos exportar. E isso está ocorrendo este ano. Porém, é preciso que as margens médias, em Feijões, sejam suficientes para que no próximo período os produtores voltem a plantar. O ganho que os produtores do Paraná poderiam ter conseguido, na exportação, seria pelo menos entre R$ 30 e R$ 50 por saco a mais se tivessem colhido na primeira safra. A janela para negócios poderia ter sido muito maior. 
 
Com a colheita de Feijão-preto na segunda safra, tivemos reduzida a janela para trabalhar sem concorrências a apenas 1 mês antes da entrada da safra de Feijões da Argentina. Olhando para o custo segundo o DERAL do Paraná, o custo do produtor que produziu 34 sacas foi de R$ 182 por saco, agora nessa safra que está sendo colhida. O que não é...

Mais
Boletins

Preços tem pequena reação durante a semana
24/05/2024

Demanda sustenta cotações
23/05/2024

Embaixada Mexicana recebeu o IBRAFE
22/05/2024

Preços esboçam pequena reação
21/05/2024

Segunda safra na reta final de colheita
20/05/2024