+55 (41) 3107-3344

|

+55 (41) 99137-1831

|

@ibrafe.org

Semente Legal
Ibrafe

O Programa SEMENTE LEGAL é um esforço dos sementeiros para auto regulamentar o setor, no Brasil. O Programa foi criado em 2017, uma solução desenvolvida pelo grupo Ceptis, por meio da Ceptis Agro, empresa brasileira detentora do direito de exploração da tecnologia suíça para a promoção do agronegócio por meio de soluções tecnológicas integradas. Com certificação desde as sementes forrageiras, até as de uso comum e insumos agrícolas e veterinários, o Semente Legal tem a finalidade de garantir a rastreabilidade segura e a origem aos produtos agrícolas.

Desde 2017, o programa é utilizado na rastreabilidade segura e certificação da origem das sementes forrageiras produzidas pela Unipasto, associação parceira da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) com associados presentes nos estados da Bahia, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e São Paulo. Mais de 1,5 milhão de sacarias de sementes forrageiras dos associados da Unipasto já contam com o programa.

Em agosto de 2020, a Ceptis Agro assinou um contrato com a Aprossul, que congrega produtores do Mato Grosso do Sul, para a implantação do Semente Legal com um sistema acional, o TrustScore, que, além de verificar a origem e garantir a qualidade das sementes, também verifica diversos indicadores sociais, ambientais e econômicos dentro do processo produtivo de sementes.

E, em 2021, O Instituto Brasileiro do Feijão, Pulses e Colheitas Especiais – IBRAFE, na incansável busca para representar e estimular a produção e o consumo dos Feijões, Pulses e Colheitas Especiais no Brasil e no mundo, assinou contrato de parceria com a Ceptis Agro para disponibilizar o programa Semente Legal para que os sementeiros de Feijões e Pulses, como Lentilha, Grão de bico, Ervilha entre outras culturas, tenham garantias e segurança da qualidade da semente plantada.  A implantação do Semente Legal no setor abraça todas as ferramentas desenvolvidas até agora dentro do programa, e é um avanço há muito aguardado pelo Ministério da Agricultura, Conselho Brasileiro dos Feijões e Pulses – CBFP, pesquisadores, sementeiros, empacotadores e usuários.